Turismo comunitário, tradicionalidade e reserva de desenvolvimento sustentável na defesa do território nativo: aventureiro-Ilha Grande/RJ

  • Helena Catão Henriques Ferreira Universidade Federal Fluminense -UFF
Palavras-chave: Turismo comunitário, Reserva de Desenvolvimento Sustentável, Tradicionalidade, Cultura Local, Territorialidade.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma reflexão em torno da ideia de Turismo Comunitário ou de Base Comunitária a partir de uma análise do que ocorre hoje na Vila do Aventureiro-Ilha Grande, Rio de Janeiro e suas relações com o processo de recategorização da área para Reserva de Desenvolvimento Sustentável-RDS, recentemente criada (2014). O turismo que ocorre no Aventureiro é hoje considerado como comunitário, ou “de base comunitária” por ser promovido e organizado exclusivamente pelos moradores nativos e por articular a noção de “populações tradicionais” para garantir seu direito ao território. Nesse sentido, a recategorização da área para Reserva de Desenvolvimento Sustentável – RDS tem uma relação reflexiva com este tipo de turismo, em que cada um alimenta o outro. Este texto se baseia em duas pesquisas qualitativas com perspectiva etnográfica, desenvolvidas nos períodos: de 2003/2004 e de 2008 a 2010. Procurou-se captar a percepção da população local sobre sua experiência com o turismo, as sociabilidades emergentes nesse processo, a forma nativa de enfrentamento das dificuldades advindas com a implantação de uma unidade de conservação restritiva em seu território, e, em contrapartida, suas estratégias inovadoras de sustentação econômica e manutenção da cultura.

Biografia do Autor

Helena Catão Henriques Ferreira, Universidade Federal Fluminense -UFF
Doutorado em Ciências Sociais na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Professora Adjunta 2 do Departamento de Turismo da Faculdade de Turismo e Hotelaria da Universidade Federal Fluminense-UFF Coordenadora do Grupo de Pesquisa Laboratório de Turismo e Antropologia-LATA e do Núcleo de Estudos Socioculturais do Turismo-ESCUT.
Publicado
09-09-2014
Seção
Artigos