Uma análise de discurso da política pública nacional de qualificação profissional em turismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v16.2250

Palavras-chave:

Políticas públicas, Qualificação profissional, Complexidade, Análise de discurso, Ideologia.

Resumo

No campo do turismo, as políticas públicas nacionais de qualificação ganharam destaque nos últimos vinte anos. No entanto, existem dualidades na própria constituição da política de qualificação promovida pelo Ministério do Turismo e uma consequência da sua organização caótica é a falta de clareza dos rumos que a política aponta. Assim, o objetivo desta pesquisa é analisar a disputa política presente nos discursos sobre turismo, trabalho e educação que permeiam a política pública nacional de qualificação profissional em turismo. O percurso teórico-metodológico desta investigação possui três parâmetros: no campo epistemológico, o paradigma da complexidade; no campo metodológico, a análise do discurso; e, no campo teórico, as obras de Krippendorf, Freire e Marx. Como resultado, foram analisadas as formações discursivas do turismo (duro e suave), do trabalho (alienado e não alienado) e da educação (bancária e libertadora) e as formações ideológicas que os regem (do empresário e do ser humano). Diante dos antagonismos e complementaridades entre as duas formações ideológicas, a do empresário se impõe porque consegue incorporar as relações dialógicas e fazer com que a do ser humano atenda ao seu propósito.

Biografia do Autor

Ivan Conceição Martins da Silva, Universidade Federal Fluminense (UFF) Niteroi, RJ, Brasil.

Mestre em Turismo pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Membro do Grupo de Pesquisa Turismo, gestão e territórios (UFF) e do Núcleo de Pesquisas em Politicas Publicas de Turismo, da Universidade de Brasília (UnB).

Aguinaldo Cesar Fratucci, Universidade Federal Fluminense (UFF) Niteroi, RJ, Brasil.

Professor Associado do Departamento de Turismo da Faculdade de Turismo e Hotelaria (FTH) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Doutor (2008) e Mestre (2000) em Geografia pela Universidade Federal Fluminense, especialista na área de planejamento turístico e gestão de políticas públicas de turismo. Líder do Grupo de Pesquisa Turismo, gestão e territórios.

Referências

Brasil. (2008). Lei nº 11.771, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre a Política Nacional de Turismo. Brasília. Recuperado em set. 09, 2020 de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11771.htm.

Brasil. (2011). Lei nº 12.513, de 26 de outubro de 2011. Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec)... Brasília. Recuperado set. 09, 2020 de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12513.htm.

Brandão, H. (2012). Introdução à análise do discurso. Editora da Unicamp.

Catramby, T.; Costa, S. (2004). Qualificação Profissional em Turismo como Fator de Competitividade do Setor. Ca-derno Virtual de Turismo, 4 (3), p. 26-34.

Cisne, R. (2016) Processos entre Ensino, Aprendizagem e Avaliação: Uma Experiência em Curso no Turismo. Revista Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, 8 (IV), p. 555-574, out./dez. http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v8i4p555

Conceição, R.; Fraga, T.; Conceição, M. (2016). Qualificação Profissional: um panorama comparativo entre hotéis e pousadas do primeiro distrito de Petrópolis – RJ. Turismo em Análise, 27 (1), abr. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v27i1p178-206.

Eagleton, T. (2009). Ideologia: uma introdução. São Paulo, Boitempo.

Feger, J.; Freitas, M.; Kuntz, V.; Sehn, M.; Santos, L. (2015). Cursos Pronatec Copa 2014 Voltados ao Turismo em Curitiba, PR: Instrumento de Avaliação por Rubrica. Revista Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, 7 (3), p. 319-337, jul./set. http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v7iss3p319.

Ferretti, C. (2004). Considerações sobre a apropriação das noções de qualificação profissional pelos estudos a res-peito das relações entre trabalho e educação. Educação & Sociedade, 25 (87), p. 401-422. https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200006

Fratucci, A. (2009). Refletindo Sobre a Gestão dos Espaços Turísticos: perspectivas para as redes regionais de turis-mo. Turismo em Análise, 20 (3), dez. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v20i3p391-408

Fratucci, A.; Bantin, N.; Melo, R. (2017). O Pronatec Turismo para além da empregabilidade: Percepções na cidade do Rio de Janeiro – RJ (Brasil). Revista Turismo & Desenvolvimento, 27/28.

Freire, P. (2016). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Frey, K. (2000). Políticas públicas - um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, 21, p. 211-259.

Krippendorf, J. (2009). Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo, Aleph.

Martoni, R.; Alves, K. (2019) As condições da classe trabalhadora em atividades características do turismo: especifi-cidades e tendências socioprodutivas. Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, 11 (1), p. 211-223, jan./mar. http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v11i1p211.

Marx, K. (2008). Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo, Boitempo.

Marx, K. (2010). O capital: edição condensada. São Paulo, Folha de São Paulo.

Marx, K. (2017). O capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção da mercadoria. São Paulo, Boitempo.

Mascaro, A. (2013). Estado e forma política. São Paulo, Boitempo.

Maranhão, C.; Brandão, P.; Pequeno, E.; Aires, J. (2010). Direcionamentos para as políticas públicas de turismo no Rio Grande do Norte, com foco na orientação do turismo pró-pobre. INTERFACE, Natal/RN, 7 (2), jul./dez.

Meira, C.; Kushano, E.; Neves, C. (2018). Qualificação profissional técnica no contexto das políticas públicas de tu-rismo e as novas perspectivas do plano nacional de turismo 2018 – 2022. Revista Ateliê do Turismo, Cam-po Grande, 1 (2), p. 46-66, jul./dez.

Ministério da Educação. (2017). Guia – Médiotec. Brasília. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://portal.mec.gov.br/docman/maio-2017-pdf/64871-guia-meiotec-2017-pdf/file.

Ministério da Educação. (2018). MedioTec. Brasília. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://portal.mec.gov.br/mediotec/apresentacao-mediotec.

Ministério do Turismo. (2013a). Perguntas frequentes. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.pqi.turismo.gov.br/site/conheca-o-programa.html.

Ministério do Turismo. (2013b). Conheça o programa. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.pqi.turismo.gov.br/site/conheca-o-programa.html.

Ministério do Turismo. (2017a). Portaria nº 46, de 4 de abril de 2017. Brasília. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/portaria-n%C2%BA-46-de-4-de-abril-de-2017.html.

Ministério do Turismo. (2017b). Portaria nº 8, de 6 de janeiro de 2017. Brasília. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/portaria-n%C2%BA-8-de-6-de-janeiro-de-2017.html.

Ministério do Turismo. (2018a). MédioTec presencial. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/assuntos/7957-mediotec.html.

Ministério do Turismo. (2018b). Brasil braços abertos: Perguntas frequentes. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/assuntos/7857-perguntas-mais-frequentes-%E2%80%93-brasil-bra%C3%A7os-abertos.html.

Ministério do Turismo. (2018c). Brasil braços abertos: Sobre. Recuperado em set. 03, 2020 de:http://www.turismo.gov.br/assuntos/11530-brasil-bra%C3%A7os-abertos-inscri%C3%A7%C3%B5es-2018.html.

Ministério do Turismo. (2018c). Curso gestor de turismo: Perguntas frequentes. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/assuntos/11771-perguntas-mais-frequentes-gestor-de-turismo.html.

Ministério do Turismo. (2018e). Curso gestor de turismo: Sobre. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/assuntos/11538-curso-gestor-de-turismo.html.

Ministério do Turismo. (2018f). Pronatec. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/assuntos/7959-pronatec-turismo.html.

Ministério do Turismo. (2018g). Perguntas mais frequentes – Pronatec voluntário EAD. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/assuntos/7858-perguntas-mais-frequentes-%E2%80%93-pronatec-volunt%C3%A1rio-ead.html.

Ministério do Turismo. (2018h). Política nacional de qualificação no turismo. Brasília. Recuperado em set. 03, 2020 de: http://www.turismo.gov.br/images/pdf/Publica%C3%A7%C3%B5es/PlanoPNQT_A4_64pgs_2019.pdf.

Moreira, M.; Campos, G. (2019). O ritual da interpelação ideológica no Turismo LGBT e a impossibilidade do desejo que se desloca. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo, 13 (2), p. 54-68, maio/ago. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v13i 2.1542.

Morin, E. (2006). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre, Sulina.

Nogueira, E.; Costa-Neto, C.; Silva, G. (2013). Qualificação profissional como suporte para implantação do etnoturis-mo na comunidade indígena Ingarikó (RR). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, 6 (2), p. 424-441, mai./jul. https://doi.org/10.34024/rbecotur.2013.v6.6120

Orlandi, E. (2003). A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas, Pontes.

Orlandi, E. (2015). Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas, Pontes.

Parente, F; Moesch, M. (2016). Desafios das políticas de qualificação para um turismo mais humanizador. Anais do Seminário da ANPTUR.

Paula, A.; Herédia, V. (2019). Qualificação profissional de camareiras de hotéis e a crítica que Paulo Freire não es-creveu. Revista de Turismo Contemporâneo, Natal, 7 (1), p. 141-162, jan./jun. https://doi.org/10.21680/2357-8211.2019v7n1ID16783

Pimentel, T. D.; Paula, S. C.; Oliveira, M. C. (2016). Uma reflexão sobre a qualificação na formação em turismo: rele-vância da micro e pequena empresa para o destino turístico. Turismo y Sociedad, 18, p. 159-177, jan./jun. https://doi.org/10.18601/01207555.n18.09

Rosa, N. (2016). As implicações teórico-metodológicas e a concepção turismo de massa na obra Sociologia do Tu-rismo de Jost Krippendorf. Dissertação (Mestrado - Mestrado Profissional em Turismo) - Universidade de Brasília.

Silva, I. (2020). Políticas públicas e qualificação profissional em turismo: uma análise das metodologias de pesquisa. Observatório de Inovação do Turismo - Revista Acadêmica, XIV (3), dez. https://doi.org/10.17648/raoit.v14n3.6027

Silva, I.; Silva, M.; Santos, M. (2021). Condições de trabalho em casa durante a pandemia: uma análise do discurso do sujeito coletivo dos trabalhadores do setor de agências de turismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Tu-rismo, São Paulo, 15 (1), 2200. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v15i12200

Soares, J.; Godoi, C. (2017). A metodologia da análise sociológica do discurso em estudos turísticos: o processo de transformação da imagem turística e sua relação com a lealdade. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 15 (1), jan. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2017.15.015

Souza, D; Gastal, S.; Campos, L. (2017). Relação entre Sujeito, Turismo e Trabalho. Revista Hospitalidade, São Paulo, 14 (2), p. 01-19, ago. https://doi.org/10.21714/2179-9164.2017v14n2.766

Tasso, J. P. F.; Moesch, M. M.; Nóbrega, W. R. M. (2021) Reincorporação da Ética às Políticas Públicas de Turismo: uma necessária reflexão no combate às consequências do Covid 19. Revista Brasileira de Pesquisa em Tu-rismo, São Paulo, 15 (1), p. 21-41, jan./abr. http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v15i1.2141

Tomazoni, E. (2007). Educação Profissional em Turismo. Cria-se Mercado pela Formação? Turismo em Análise, 18 (2), p. 197-219, nov. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v18i2p197-219

Vilela, G.; Costa, H. (2020). Políticas Públicas de Turismo: uma análise dos planos nacionais de turismo do Brasil (2003- 2022). RTA, 31 (1), p. 115-132, jan./abr. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i1p115-132.

Downloads

Publicado

2021-10-24

Edição

Seção

Artigos - Gestão do Turismo