Roteiros turístico-culturais na Serra Gaúcha (RS-Brasil): escolha e formação dos percursos e seu apelo histórico memorial

Autores

  • Pedro de Alcântara Bittencourt César Universidade de Caxias do Sul / Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.7784/rbtur.v10i3.1042

Palavras-chave:

Planejamento Regional. Rede urbana e colonização. Turismo cultural. Serra Gaúcha.

Resumo

No estudo da estrutura viária de assentamento colonial da Serra Gaúcha analisa-se a relação da mesma como formadora dos roteiros de turismo cultural. Região estabelecida por ostensivo processo de migração europeia que apresenta no seu assentamento possibilidades históricas e econômicas definidas por suas redes viárias. Assim, tais roteiros são justificados com elementos memoriais das colônias de migração. Nesta pesquisa, adota-se, como método, uma lógica histórico-genética onde realiza-se um levantamento cartográfico dessas redes no assentamento colonial nas pioneiras localidades de ocupação. Sabe-se que o apoderamento ocorreu no segundo quartel do século XIX auxiliando na formação das colônias de Caxias, Conde D’Eu e Dona Isabel (núcleos originários dos municípios de Caxias do Sul, Garibaldi e Bento Gonçalves), todos localizados no nordeste do Rio Grande do Sul. O reconhecimento favorece estudos regionais, a identificação de novas formas de apropriação e a autenticação das lógicas espaciais, baseado na teoria da localidade. Seu resultado possibilita diagnóstico posterior acerca dos recursos do turismo cultural e sua estrutura regional.

Biografia do Autor

Pedro de Alcântara Bittencourt César, Universidade de Caxias do Sul / Universidade de São Paulo

Prof Adjunto II da Universidade de Caxias do Sul. Docente PPGTurH. Arquiteto e Urbanista. Doutor em Geografia - USP

Publicado

2016-08-27